Quinta-feira, 13 de Maio de 2010

Gente difusa - III

Sentado num café, vejo através das janelas o sr. b, homem estranho, de cerca de 60 anos, solitário e solteirão. Conheci-o quando andava no coro x; há cerca de 15 anos, quem diria! Era um homem obcecado, cantava no coro, mas a sua maior preocupação eram as viagens. Estava ali para viajar - os seus olhos faiscavam só com a possibilidade de uma viagem - e aborrecia-se profundamente por isso raramente acontecer. Aquilo adquiria tal importância para ele que nem concebia sequer que as outras pessoas ficassem indiferentes. Nos ensaios, quando nos via, aproximava-se, encostava a face ao nosso ouvido e sussurrava agressivamente «parece que temos saídas brevemente», repetindo «saídas, saídas», e sorria-nos com infantilidade.

publicado por Mário Azevedo às 15:52

url do post | comentar | favorito

pesquisar

 

Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

textos recentes

... o pobre desconfia

Sacudir a água do capote,...

A minha idade

As coincidências

Procissão das cinzas em V...

Zeca Afonso

A mente não é assim tão p...

Lana Del Rey

A praxe tal como eu a vej...

A Árvore da Vida

arquivo

Dezembro 2012

Setembro 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Outubro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Junho 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Maio 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

blogs SAPO