Segunda-feira, 23 de Maio de 2011

O meu voto I

A democracia deixa-nos este problema: temos de escolher; sabendo de antemão que também seremos julgados por isso. Vejam agora o que se passa com os votantes socialistas. De repente parece que se lançou uma espécie de anátema sobre eles. Sobre nós, diria melhor, porque também votei no Sócrates por duas vezes.

Não vou dizer que me sinto totalmente confortável, mas, sinceramente, continuo a achar que votei correctamente. Primeiro porque ainda assim acho que se deve votar em quem tem ideias parecidas connosco. Aqui há uns tempos, um familiar meu escarnecia do meu sentido de voto. Resolvi perguntar-lhe em quem ia votar ele, ao que ele me respondeu que estava a pensar em Garcia Pereira. Boa.

Nada tenho contra quem vota no MRPP, mas quase que aposto a minha cabeça em como esse meu familiar se sente a milhas do que defende Garcia Pereira. A verdade é que assim é muito fácil: vota-se em alguém que achamos piada, estando seguros de que nada nos comprometemos. Lavamos as mãos, digamos.

Outro familiar dizia-me que se sentia dividido entre o PP e o PCP. Assim não vale, caramba. Mas como diria o outro, adeãnte.

Na primeira vez que votei no Sócrates, a alternativa à governação era Santana Lopes (deus saberá o que teria acontecido); na segunda vez, Manuela Ferreira Leite. Penso que dá para perceber onde quero chegar. Dir-me-ão que poderia optar por outros partidos, sobretudo à esquerda. Mas se eu não sou comunista nem revolucionário. Quer queiramos quer não, vivemos num mundo capitalista. O Louçã até poderia ter muita razão em muita coisa, mas, se ele chegasse ao poder, o país certamente desabava, porque fugia tudo. Não basta concordar com as ideias, é preciso saber se elas são concretizáveis. Se não forem, é correr com elas, são as piores do mundo. O problema de Louça é que ele odeia o mundo em que vivemos, e para isso já cá tivemos o Salazar muitos anos. (Salvo seja, não os quero comparar.)

publicado por Mário Azevedo às 14:56

url do post | comentar | favorito

pesquisar

 

Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

textos recentes

... o pobre desconfia

Sacudir a água do capote,...

A minha idade

As coincidências

Procissão das cinzas em V...

Zeca Afonso

A mente não é assim tão p...

Lana Del Rey

A praxe tal como eu a vej...

A Árvore da Vida

arquivo

Dezembro 2012

Setembro 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Outubro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Junho 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Maio 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

blogs SAPO